quinta-feira, 20 de julho de 2017

USOS E ABUSOS



Poderia, claramente, ser o dito pelo não dito.
Não haveria, certamente, nenhuma
avalanche.
Assim estariam preservados todos os
incautos,
todos os cidadãos descentes,
todos os cumpridores das leis...

Nenhum injusto a ser castigado.
Tudo como sempre foi!


domingo, 16 de julho de 2017

SEJA O SOL



Já não sonho o
amanhã com esperança
redobrada.
Balança a estrutura da casa.
Anseios se tornam 
reais?

Apazigue meu sono,
verdades.

Me lembrem que sou o sol...
Me acordem para que eu não chore.





domingo, 2 de julho de 2017

A ILHA


esta ilha rodeada de nada,
a última do mundo,
da vida...
isolada, fria, tão distante...
difícil lembrar
como aqui vim parar...

foi excesso de amor
ou descaso,
talvez!!!




sábado, 1 de julho de 2017

LUIS QUINTAIS


ÉTICA


Vou falando as pequenas coisas
que me são solicitadas.
Sentindo que as ciladas
se acumulam cada vez que falo.
Preferi hoje o silêncio.
A ausência de equívocos
não é partilhável.
No inegociável deste dia,
destituo-me de palavras.
O silêncio não se recomenda.
Deixa-nos demasiado sós,
visitado pelo pensamento.





quinta-feira, 29 de junho de 2017

A LUA SOBRE O RIO DO LESTE


WANG  WEI



A lua sai de dentro da montanha,
eleva-se, devagar, sobre o portão da casa.
Mil árvores perderam a umidade do céu,
nuvens negras voam no espaço.
De súbito, o luar embranquecendo a floresta,
a terra respira no orvalho frio.
Águas de outono cantam nas cascatas,
uma névoa azul paira sobre as rochas,
sombras partidas abraçam cumes vazios.
Como num sonho, tudo é transparente, puro,
de pé. à janela, diante do rio,
de madrugada, sonolento, sem pensar.





Poesia tirada do blogue "balsamobenigno.wordpress.com"

quarta-feira, 21 de junho de 2017

MOVIMENTO


e se eu fosse a palavra
de ordem
na confusão expressa deste
movimento?

e se eu fosse o grito
suspenso
na garganta do orador
deste encontro?

confesso, apesar de tudo,
ser impossível
viver de mentiras...




terça-feira, 13 de junho de 2017

SANTA IGNORÂNCIA


se a vida fosse
mais simples que esta
matemática,
este grego para ser
traduzido,
este passe de mágica,
talvez eu já tivesse aprendido
suas regras
e seus mistérios...

mas, não...
como todo bom ser humano
persisto  nesta santa
ignorância!



domingo, 11 de junho de 2017

DE ANTEMÃO

JOAQUIN  GIANNUZZI


Comprei café, cigarros, fósforos.
Fumei, bebi
e fiel à minha retórica particular,
pus os pés sobre a mesa.
Cinquenta anos e uma certeza de condenado.
Como quase todo mundo fracassei sem fazer ruído.
Bocejando ao cair da noite murmurei minhas decepções,
Cuspi sobre minha sombra antes de ir para a cama.
Esta foi toda a resposta que pude dar a um mundo
que esperava de mim um estilo que provavelmente não me
correspondia.
Ou pode ser que se trate de outra coisa. Quem sabe
houve um projeto diferente para mim
em alguma provável loteria
e meu número não saiu.
Quem sabe nada resolva um destino estritamente pessoal.
Quem sabe a maré histórica a resolva por um e por todos.
Me cabe isto.
Uma porção de vida que me cansou antecipadamente.
Um poema paralisado em meu caminho
por uma razão desconhecida.
Um resto de café na minha xícara
que por alguma razão
nunca me atrevi a tomar até o fundo.




domingo, 4 de junho de 2017

A DOR

AMALIA  BAUTISTA



A dor não humaniza, não enobrece,
não nos faz melhores nem nos salva,
nada a justifica nem a anula.
A dor não perdoa nem imuniza,
não cria nada e nada a destrói.
A dor existe sempre e sempre volta,
nenhum dos seus atos é o último
mas todos podem ser definitivos.
A dor mais horrível pode sempre
ser ainda mais intensa e ser eterna.
Anda sempre acompanhada pelo medo.
Os dois se alimentam um ao outro.




terça-feira, 30 de maio de 2017

JOELMA ROQUE


Joelma, li algo no Blogger, escrito por Henrique Risques Pereira, a quem não conheço, mas que me pareceu ter sido escrito por mim... Ah, como eu realmente gostaria de ter sido eu... Leia:

"Foi assim neste jeito de não saber o que estava fazendo que procurei o teu encontro pelas esquinas da vida, no encontrão de tudo e de todos, que te encontrei..."

E como eu gostei que aqui ficasses...

Somewhere over the rainbow
Way up high
There's a land that I heard of
once in a lullaby
Somewhere over the rainbow
Skyes
And the dreams that you dare to dream
Really do come true

Someday I'll wish upon a star
And wake up where the clouds are far
Behind me
Where troubles melt like lemon drops
Away above the chimney tops
That´s where you'll find me

Somewhere over the raibow
Bluebirds fly
Birds fly over the rainbow
Why then, oh why can't

If happy little bluebirds fly
Beyond the rainbow
Why, oh why can't.


E. Y. HARBURG

,